Arquivos de Categoria: Atividades Escolares

O Yorubá

yorubá

yprubá2

Anúncios

Avaliando conhecimento!

Um conto africano

Vamos conhecer Angola?

Uma história: Por que somos diferentes?

Congada

Uma fábula africana

Chico Rei

O Lundu

Origem da palavra Quilombo

Racismo – para pensar

Herança africana

Refletindo sobre diferenças físicas

Por que somos diferentes?

Curiosidades sobre o Continente Africano

Essas atividades lúdicas ajudam a despertar o interesse e o conhecimento sobre esse continente grandioso!

Retirado do livro:

Brincadeira africana

Retirado do livro:


Bonecos Afros

Esse bonecos são feitos pela professora de Artes da minha escola – Professora Márcia Oliveira.
Vejam o blog dela: http://bonecasbonecos.blogspot.com/

Igualdades e Diferenças

A África está em nós – História e cultura afro-brasileira
Editora Grafset

O primeiro Homem é da África!

Fonte:Vivendo a Diversidade, Cultura Afro-brasileira
           Editora FAPI

Carimbó

Picasa – Tati

Costumes dos povos africanos

Picasa Tati

Cidade de Benin

Picasa Tati

Criança Iorubá

Picasa – Tati

Afro-brasileiro

Picasa – Tati

Menina Bonita do laço de fita

Danças Afrobrasileiras

Picasa – Tati

Marama e o rio dos Crocodilos – Conto africano

Marama e o rio dos crocodilos é outro exemplo do que pode acontecer quando o pai e a mãe desaparecem da vida de sua filha, e a menina órfã aprende a se fazer respeitar pelas pessoas com quem convive. É típico de quem perde todo sistema referencial porque não pode mais viver o mesmo valor que os pais. Tem-se a sensação de ficar órfão realmente. Isto é válido tanto para uma jovem como para um jovem, seja ele asiático, europeu, americano, ou africano como Marama. Branca de Neve e Marama são, em certo ponto, irmãs que conheceram a mesma história. Porém, Marama se confronta de certa maneira com realidades muito primitivas, com o lado violento e feroz, que exige dela muito cedo saber se colocar. Por tocar nesse lado mais primitivo, a leitura deste conto nos fala de outro modo. Mas deixemos o conto falar primeiro.

Marama e o rio dos Crocodilos

Marama era uma menininha e, quando seus pais morreram, o chefe da tribo a entregou aos cuidados de uma das mulheres de aldeia.
Mas era uma mulher má que batia na menina, não lhe dava nada para comer e só pensava em como se livrar dela. Um dia, ela deu a Marama um pilão pesado, que se usa para descascar arroz, e lhe disse:
-Vá ao rio dos Crocodilos Bama-Bá e lave este pilão para eu poder usá-lo para descascar arroz.
Marama se pôs a chorar, porque o rio era muito afastado, era muito profundo e caudaloso, cheio de cobras e crocodilos. As pessoas tinham medo de ir até lá e só ás gazelas e os leões iam lá beber.
Porém, Marama tinha tal medo de sua madrasta ruim, que pegou o pilão e foi-se embora.
No caminho para a floresta ela encontrou um leão. Ele sacudiu sua juba e rosnou com uma voz terrível:
– Como você se chama e para onde você vai?
Marama estava com medo mortal, mas cantou com sua doce voz:
-Marama é meu nome
E não tenho mãe…
Vou ao rio
Para lavar este pilão.
Ao rio dos Crocodilos
Minha madrasta me mandou.
Lá só vão gazelas
E leões para beber.
Lá dormem cobras
e crocodilos.
-Então vá, Marama, menina sem mãe! – disse o leão. Vá e não tenha medo. Vou cuidar para que as gazelas e os leões não incomodem você quando forem beber.
Marama continuou seu caminho e, quando chegou ao rio, um crocodilo horrendo e velho surgiu na sua frente, abrindo sua enorme boca, seus grandes olhos vermelhos lhe saindo da cabeça.
– Qual é seu nome e para onde você vai? – perguntou.
Marama estava com medo mortal, mas cantou com sua doce voz:
-Marama é meu nome
E não tenho mãe…
Vou ao rio
Para lavar este pilão.
Ao rio dos Crocodilos
Minha madrasta me mandou.
Lá só vão gazelas
E leões para beber.
Lá dormem cobras
e crocodilos.
-Então vá, Marama, menina sem mãe! – disse o crocodilo. Lave seu pilão e não fique espantada. Vou cuidar para que as cobras e os crocodilos que vivem no rio não incomodem você.
Marama ajoelhou-se na beira do rio e começou a lavar o pilão. Mas estava tão pesado, que lhe escapou das mãos, desaparecendo na água. Marama começou a chorar, porque não podia voltar para casa sem o pilão. De repente, surgiu na água um crocodilo que lhe estendeu um novo pilão, limpinho e branquinho, incrustado de ouro e prata.
-Leve este pilão para casa, Marama, menina sem mãe, e mostre-o a toda aldeia, a fim de que todo mundo saiba que o poderoso Subara, rei do rio dos crocodilos, é seu amigo.
Marama lhe agradeceu e voltou para casa. No caminho, encontrou de novo o leão.
– Deixe-me pegar o pilão, Marama, menina sem mãe – disse ele. É pesado demais para você. Vou levá-lo até sua casa, assim todo mundo vai saber que o poderoso Subara, rei do rio dos crocodilos é seu amigo.
Quando Marama chegou em casa, a madrasta admirou muito o pilão e lhe perguntou onde o havia encontrado. Marama apenas lhe contou que o tinha encontrado no rio dos crocodilos. Então a madrasta pegou outro velho pilão de arroz, afim de também encontrar um novo, branquinho e incrustado de ouro e prata.
No caminho para a floresta, encontrou-se com o leão. Meneando a juba, ele rugia com voz terrível:
-Quem é você e para onde vai?
A mulher má teve tanto medo, que não conseguiu dizer uma palavra, pôs se a correr a não mais poder. O leão a seguiu com seus olhos até ela desaparecer entre as árvores, e depois simplesmente levantou os ombros.
Quando chegou ao rio, um velho, horroroso crocodilo lhe atravessou o caminho, abrindo uma enorme boca, seus olhos vermelhos e grandes lhe saindo da cabeça.
-Como você se chama e para onde vai? – perguntou.
A mulher má teve tanto medo, que não conseguiu dizer uma palavra e foi pela beira do rio. Não foi muito longe. De todos os lados, os leões e as gazelas que vinham beber no rio a cercaram, assim como as cobras e os crocodilos que viviam no rio, e todos cantavam em coro:
-Marama, a menina sem mãe,
pode vim lavar
seu pilão no rio,
pois o poderoso Subara,
rei do rio,
é seu amigo.
Mas para você, mulher má,
o rio dos crocodilos
significa a morte!
E assim foi.
Maiores informações e interpretações a respeito deste conto leiam: O QUE CONTA O CONTO? Jente Bonaventura