Arquivos de Categoria: Curiosidades

Festa da África – 2013

Nossa festa desse ano trabalhou com diversas temáticas: Orixás e Mitologia, Personalidades Negras, Comidas, Brincadeiras Afro-brasileiras, desfile de roupas e cabelos, Baobá, Curiosidades, Bonecos Negros, Máscaras, Animais, Vocabulário, dicionário, Músicas e muito mais…

Anúncios

Boneca de Nó

E Deus criou o Baobá

Ubuntu

Símbolos Africanos

Livro usado:

Provérbios africanos

Flores Exóticas– lirio sangu

Daquelas flores esquisitas e muito interessantes que voce encontra 2 semanas por ano para comprar, o lirio-sangu-salmão chama salmão mas é quase vermelho…
Da mesma familia das amarilis e narcisos, é um bulbo originario da Africa e seu nome “tecnico” é Scadoxus multiflorus ou Haemanthus multiflorus…o mundo botanico é engraçado, além destes nomes muito dificeis voce encontra sinonimos!!  Mas parei de reclamar quando tinha que comprar alguma muda específica…impossivel sem o nome certo, em cada regiao, em cada chácara as pessoas chamam plantas pelo nome que acham mais simpatico…melindro por exemplo, Asparagus setaceus, tambem conhecido por aspargos, melindre, samambaia plumosa…ou afresia , Freesia hybrida, tambem conhecida por frisia ou junquilho, etc.

Um pouco de História

LEI AÚREA
Lei nº 3.353, de 13 de Maio de 1888.
DECLARA EXTINTA A ESCRAVIDÃO NO BRASIL

A PRINCESA IMPERIAL Regente em Nome de Sua Majestade o Imperador o Senhor D. Pedro II, Faz saber a todos os súditos do IMPÉRIO que a Assembléia Geral Decretou e Ela sancionou a Lei seguinte:

Art. 1º – É declarada extinta desde a data desta Lei a escravidão no Brasil.

Art. 2º – Revogam-se as disposições em contrário.

Manda, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução da referida Lei pertencer, que a cumpram e façam cumprir e guardar tão inteiramente como nela se contém.
O Secretário de Estado dos Negócios d’Agricultura, Comércio e Obras Públicas e Interino dos Negócios Estrangeiros Bacharel Rodrigo Augusto da Silva do Conselho de Sua Majestade o Imperador, o faça imprimir, publicar e correr.
Dado no Palácio do Rio de Janeiro, em 13 de Maio de 1888 – 67º da Independência e do Império.
Carta de Lei, pela qual Vossa Alteza Imperial manda executar o Decreto da Assembléia Geral, que Houve por bem sancionar declarando extinta a escravidão no Brasil, como nela se declara.

Para Vossa Alteza Imperial ver.

http://www.lunaeamigos.com.br/africa/africa15.htm

Apelo: Prêmio Nobel da Paz para as mulheres africanas

A África caminha com os pés das mulheres. No desafio da sobrevivência, todos os dias centenas de milhares de mulheres africanas percorrem as estradas do continente à procura de uma paz duradoura e de uma vida digna. Num continente massacrado há séculos, marcado pela pobreza e sucessivas crises econômicas, o papel desenvolvido pelas mulheres é notório.

A campanha, nascida na Itália, já percorre o mundo para incentivar a entrega do Prêmio Nobel da Paz de 2011 para as mulheres africanas.

A proposta é da CIPSI, coordenação de 48 associações de solidariedade internacional, e da ChiAma África, surgida no Senegal, em Dakar, durante o seminário internacional por um Novo Pacto de Solidariedade entre Europa e África, que aconteceu de 28 a 30 de Dezembro de 2008.

Chama a atenção a luta e o crescente papel que as mulheres africanas desenvolvem, tanto nas aldeias, quanto nas grandes cidades, em busca de melhor condição de vida. São elas que sustentam a economia familiar realizando qualquer atividade, principalmente na economia informal, que permite cada dia reproduzir o milagre da sobrevivência.

Existem na África milhares de cooperativas que reúnem mulheres envolvidas na agricultura, no comércio, na formação, no processamento de produtos agrícolas. Há décadas, elas são protagonistas também na área de micro finanças, e foi graças ao micro crédito que surgiram milhares de pequenas empresas, beneficiando o desenvolvimento econômico e social, nas áreas mais remotas até as mais desenvolvidas do continente.

Além de terem destaque cada vez mais crescente na área de geração de emprego e renda, as mulheres, com seu natural instinto materno e protetor, lutam pela defesa da saúde, principalmente, contra o HIV e a malária. São elas, as mulheres africanas, que promovem a educação sanitária nas aldeias. E, além de tudo, lutam para combater uma prática tão tradicional e cruel na região: a mutilação genital.
São milhares as organizações de mulheres comprometidas na política, nas problemáticas sociais, na construção da paz.

Na África varrida pelas guerras, as mulheres sofrem as penas dos pais, dos irmãos, dos maridos, dos filhos destinados ao massacre e sabem, ainda, acolher os pequenos que ficam órfãos.

“As mulheres africanas tecem a vida”, escreve a poetisa Elisa Kidané da Eritréia.
Sem o hoje das mulheres, não haveria nenhum amanhã para a África.

Em virtude de toda essa luta e para reconhecer o papel de todas elas é que surgiu a proposta de lançar uma Campanha Internacional para dar o Prêmio Nobel da Paz de 2011, a todas as mulheres africanas. Trata-se de uma proposta diferente, já que esta não é uma campanha para atribuir o Nobel a uma pessoa singular ou a uma associação, mas sim, um Prêmio Coletivo, a todas essas guerreiras.

A ideia é lançar um manifesto assinado por milhões de pessoas, por personalidades reconhecidas internacionalmente e criar comitês nacionais e internacionais na África e em outros continentes. Além de recolher assinaturas, a campanha deve estimular também encontros organizados com mulheres africanas, convenções e iniciativas de movimento.

Nós, latino-americanos e latino-americanas, temos muito sangue africano em nossas veias e em nossas culturas. Vamos gritar nossa solidariedade com a África assinando a petição.

A criatividade dos Movimentos Sociais e Populares, das ONGs, grupos religiosos, universidades, sindicatos, etc…, pode inventar mil atividades para difundir essa iniciativa e colocar a mulher africana no centro da opinião pública do mundo.

Pode-se criar comitês, eventos com debates sobre a África, show de artistas locais, palestras nas universidades, nos bairros, nas praças, lançamentos da coleta de assinaturas, etc. Nossa criatividade vai fortalecer os caminhos da África.
Os membros da campanha são todos aqueles que assinarem a petição online. E para fazê-lo é simples.
Para assinar a petição, acesse o link: http://www.noppaw.net/?page_id=16.

Para mais informações, contate a Campanha pelo endereço: info@noppaw.org ou secretaria@noppaw.org ou no site www.noppaw.org

Fonte: http://afrocorporeidade.blogspot.com/

A África e a Bíblia

Quando Deus criou o Jardim do Éden, Ele criou um rio com quatro braços para regá-lo. Entre os quais o rio Gion que se localiza na terra de Cuxe (Etiópia.)
E saía um rio do Éden para regar o Jardim e dali se dividia em quatro braços. Gên. 2:10
O primeiro chama-se Pison que é o que rodeia a terra de Havlá, onde há ouro. Gên. 2:11
O ouro desta terra é bom, também se encontram lá o bdélio e a pedra de ônix. Gên. 2:12
O segundo rio chama-se Gion que é o que circunda a terra de Cuxe. Gên. 2:13
O nome do terceiro rio é o Tigre que é o que corre pela terra da Assíria, e o quarto rio é o Eufrates. Gên. 2:14

” Alguns estudiosos da bíblia e do mundo antigo afirmam que o rio Gion é o rio Nilo. A identificação com o rio Nilo é feita a partir da informação fornecida pelo mesmo texto de que a terra que rodeia o rio Gion é Cuche.”
O Nordeste Africano também conhecido como Corno de África ou Chifre de África também conhecido como península Somali, inclui a Somália, a Eritréia,a Etiópia e o Djibuti.


Astronomia

Nesse campo do conhecimento é interessante citar as contribuições dos antigos africanos da nação Dogon, situados na região do antigo Mali. Eles já tinham conhecimento da existência do “pequenino satélite da estrela Sirius, o Sirius B, invisível a olho nu. Denominavam-no Potolo, e desenhavam, com exata precisão, a sua órbita em torno de Sírius.
Reproduziam a sua trajetória em desenhos que conferem precisamente com a órbita observada pela astronomia moderna. Ainda mais conhecedores de oitenta e seis elementos fundamentais, os Dogon sabem identificar as propriedades do metal que compõe o satélite, que chamavam sagala, mais brilhante que o ferro e tão pesado que todos os seres terrestres juntos não seriam capazes de levantá-lo.

No período de um ano, Sirius B roda uma vez em torno de seu próprio eixo, evento celebrado pelos Dogon com o festival bado. Esta rotação ainda não é conhecida dos astrônomos modernos, que, no entanto, já confirmaram a órbita de cinquenta anos que os Dogon constataram para outra estrela que órbita Sirius.

Enfim, nas palavras de um cientista ocidental, os Dogon conhecem, sem apoio de qualquer instrumento da ciência moderna, coisas que “não têm o menor direito de saber” (Brecher 1977). Amplamente documentado, porém, pelos antropólogos franceses Marcel Griaule e Germaine Dieterlen e outros, o conhecimento dos Dogon efetivamente ultrapassa em muito aquilo que, de acordo com os cânones da ciência ocidental euro-centrista, essa “ tribo primitiva” poderia saber” (NASCIMENTO, 1994, p.27).

fonte: África – Brasil um elo de herança ancestral

África de todos nós

Os diversos povos que habitavam o continente africano, muito antes da colonização feita pelos europeus, eram bambambãs em várias áreas: eles dominavam técnicas de agricultura, mineração, ourivesaria e metalurgia; usavam sistemas matemáticos elaboradíssimos para não bagunçar a contabilidade do comércio de mercadorias; e tinham conhecimentos de astronomia e de medicina que serviram de base para a ciência moderna. A biblioteca de Tumbuctu, em Mali, reunia mais de 20 mil livros, que ainda hoje deixariam encabulados muitos pesquisadores de beca que se dedicam aos estudos da cultura negra.
Infelizmente, a imagem que se tem da África e de seus descendentes não é relacionada com produção intelectual nem com tecnologia. Ela descamba para moleques famintos e famílias miseráveis, povos doentes e em guerra ou paisagens de safáris e mulheres de cangas coloridas. “Essas idéias distorcidas desqualificam a cultura negra e acentuam o preconceito, do qual 45% de nossa população é vítima”, afirma Glória Moura, coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade de Brasília (UnB).

Portal dos Orixás

Curiosidades do continente africano

* Trazer para sala de aula algumas curiosidades sobre o continente africano:


A África é o continente que mais possui curiosidades. A primeira delas é sua única ligação com a Ásia, o estreito de Gibraltar. Entre as riquezas da África, destacamos os maiores diamantes do mundo, e seus animais raros. Os elefantes africanos, além de curiosos, batem o recorde de maior animal terrestre, com até 3,7 metros de altura e 7 toneladas! Cada elefante africano consome, diariamente, 150 kg de comida. Eles vivem em grupos, nas savanas da África, até 60 anos.

Falando de animais curiosos, as rãs da África também são as maiores do mundo, chegando a, aproximadamente, 90 cm de comprimento, com as pernas esticadas, e quase 4 kg. O Kruger National Park, é um lindo parque de preservação natural que conta com uma área de 19.000 km2, 147 espécies de mamíferos, 507 de pássaros, 114 de répteis e 1950 espécies de plantas.


* Após discutir com a classe sobre essas curiosidades, pedir para que os alunos tragam numa próxima aula pesquisas pessoais sobre curiosidades do continente africano.


* Com as pesquisas em mãos, listar na lousa as curiosidades que os alunos troxeram e escolheram.


* Os alunos deverão fazer o registro no caderno.

O Grande Continente Africano

Quando se fala em África, em primeiro lugar pensamos que é um país e não um continente formado por cerca de cinquenta e quatro paises independentes. Temos em mente um território sombrio formado por desertos, uma grande floresta, com animais ferozes, cheia de rios infectados de jacarés famintos, além de muita miséria e guerras tribais. Este é o cenário que descortina a nossa mente. Um quadro único. Mas esta é uma visão errônea, pois a África é um continente diversificado com uma pluralidade cultural enorme, sendo considerado o berço da humanidade.
Não é só a África exótica e misteriosa, cheia de perigo e extremamente explorada pelos europeus, mas uma África onde surgiu o homem. Rica em história e cultura. Há muitas religiões, grandes cidades, riquezas minerais. A África com sua exuberante natureza, seu Rio Nilo o maior do mundo, atravessando áreas desértica irrigando suas margens propiciando vida para a população, criando uma civilização histórica milenar, os egípcios. Uma África colorida, com desigualdades sociais mas buscando determinadamente seu lugar na história.
O Brasil tem uma grande dívida com o continente africano e necessita conhecer e valorizar seus costumes e hábitos africanos. Aqui formamos a cultura afro-brasileira e nem nos damos conta deste fato.