Arquivos de Categoria: Projetos

Bonecos Afros

Anúncios

Alguns relatos de alunos sobre os bonecos afros:

  • Luiz 4ª série.
   “Quando cheguei na minha escola encontrei meus amigos e comecei a conversar, quando bateu o sinal subimos no palco e cantamos a música do Lobisomem.”
   “Entramos na sala e a professora leu os relatos dos bonecos, depois ela fez o sorteio e o Akin ficou comigo, fizemos atividades de Matemática e atividades de Ciências, bateu o sinal e fomos embora.”
   “Quando cheguei em casa todos viram o Akin de novo, fomos almoçar e assistir TV. Logo após fomos ao shopping, voltei as 18:00 h e teve a festa de aniversário da minha bisavó. Quando acabou a festa fui para o meu quarto e li o livro para o Akin: “Os caçadores de mel”, dormimos.
   “Foi muito legal ficar com o Akin, pena que foi só um dia.”
  • Tamires 4ª série:
   “Quando chegue na escola os meninos tinham subido no palco para cantar a música do Lobisomem.
    Entramos na sala e a professora sorteou os bonecos e saiu o nº 30, fui buscar.
    No recreio eu brinquei com as minhas amigas, quando fui embora dei tchau para elas.
    Chegando em casa minha mãe falou:
    – A Kiara de novo!
    – Sim, mãe.
    Quando minha irmã chegou, ela ficou muito feliz de ver a Kiara de novo.
    Eu, a minha irmã e a Kiara assistimos Avatar, quando fui tomar banho, a Kiara ficou assistindo a nova temporada do “Jonas”.
    Depois do banho fui brincar com a Kiara, fomos ao parque, voltamos as 16:32 h.
    Eu e a Kiara fomos brincar com minha cachorrinha que se chama Nina.
    Antes de dormir li a história para a Kiara: Krokô e a Galinhola”.
    Beijos Kiara, obrigada pela sua presença!
  • A sala possui dois bonecos: a Kiara e o Akin, as meninas levam a boneca e os meninos o boneco.
  • Todo dia é lido o relatório que volta com as crianças.

Boneco Afro na classe

Um  trabalho muito bom para quebrar a barreira do preconceito racial é trabalhar com bonecos afros na sala de aula.
Esse trabalho é desenvolvido da seguinte forma:
·         Primeiro confecciona-se um boneco afro com a turma ou compre-se um. Existem bonecos de pano afros muito bonitos para comprar.
·         Junto com a turma escolher uma nacionalidade africana e um nome típico desse país para o boneco.
·         Usar um caderno de capa dura universitário para servir de diário do boneco, colocar no caderno o nome do boneco,nacionalidade, turma e professora.
·         Cada dia da semana um aluno leva o boneco para casa juntamente com o caderno e um livro infantil que aborde o tema África. Deve-se combinar com a classe a forma de sorteio do boneco.
·         A criança leva o boneco e terá que escrever no caderno um relato de como foi esse dia em casa com o boneco.
·         Pedir para a criança ler o livro antes de dormir ao boneco.
·         No dia seguinte a professora recolhe o boneco e o caderno e lê o relato da criança para a classe, nesse momento deve-se trabalhar o gênero textual: relato.
·         Sorteia-se novamente o boneco.
Espera-se com esse trabalho valorizar as diferenças raciais. Fazer com que as crianças afro -brasileiras se identifiquem com o boneco, sentindo-se valorizadas e as crianças brancas respeitem as diferenças raciais.

O que se trabalhar sobre África?

Sempre me fiz essa pergunta e percebi o que eu não precisava trabalhar: escravidão, fome, miséria, doenças, ou seja, tudo o que é sempre divulgado.Então decidi procurar informações belas sobre esse continente como :  riquezas – belezas – peculiaridades – cultura – histórias belas – animais. Em minhas pesquisas acabei descobrindo um mundo belo, exótico, com muita riqueza e curiosidades.O tema é abordado nas aulas de:Português: Leitura de contos e lendas africanas.História: formação do povo brasileiro – origens: índio, europeu, africano, imigrantes. A influência de suas culturas.Geografia: continente africano –  relevo, hidrografia, vegetação, cidades e população.Um tema que os alunos adoram é sobre curiosidades; e no continente africano há inúmeras.A partir disso criei uma sequência didática para a Introdução do projeto da minha escola: “Um pouco de nós, um pouco de África.”